COLONIZAÇÃO NA HISTÓRIA DO TEMPO PRESENTE

A CONQUISTA DA AMAZÔNIA

  • Filipe Menezes Soares UFPA

Resumo

A euforia desenvolvimentista que tomou conta do Brasil nos anos 70 está associada à transformação do país em um canteiro de obras. No rol dos projetos de grande envergadura, encontrava-se o Programa de Integração Nacional. Dentre as obras contidas no PIN, destaca-se a colonização oficial da Amazônia pela mão de obra proveniente do Nordeste. Neste artigo, o desafio consiste em apresentar a colonização como uma política que criou espaço para os trabalhadores sem terra, tendo importância estratégica na construção de legitimidade daquele governo e sendo parte fundamental na aproximação entre ditadura e população governada. Ao mesmo tempo, a crítica histórica aqui estabelecida compreende a colonização como um mecanismo de controle dos conflitos agrários e de ocupação das fronteiras nacionais.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##

Professor Substituto de História Moderna e Contemporânea na UFPA - Campus Bragança. Mestre em História pela Universidade Federal de Pernambuco. Doutorando no Programa de Pós-graduação em História Social da Amazônia. Atua principalmente nos seguintes temas: teoria e metodologia da história, ditadura civil-militar brasileira, discursos, politicas governamentais, conflitos agrários; Nordeste e Amazônia.

Currículo Lattes

Publicado
2019-02-04
Como Citar
SOARES, Filipe Menezes. COLONIZAÇÃO NA HISTÓRIA DO TEMPO PRESENTE. Revista Fronteiras Plurais, [S.l.], v. 1, n. 01, fev. 2019. Disponível em: <http://www.revistafronteirasplurais.com/revista/index.php/fronteirasplurais/article/view/14>. Acesso em: 24 ago. 2019.